13.6.09

"Ah, vira virou... essa galera!" Na Virada Cultural

Milton e Denise viviam em crise no casamento. As coisas já não andavam como antigamente. Ele odiava as reuniões de família de Denise aos domingos e ela não suportava mais ter que assistir shows de rock com os casais de amigos de Milton. Até no café da manhã era uma confusão, um era Toddy e o outro era chá.

Muita gente dizia que a crise era em decorrência do precoce casamento dos dois. Com apenas 3 semanas decidiram dividir um apartamento. Fizeram dívidas para mobiliar o ap e dividiam tudo, desde o jornal matinal até o abajur para leitura.

Após 2 anos muita coisa mudou. Brigas desnecessárias tornaram rotinas entre "To" e "Dê", como eles se chamavam. Até quando um tomava Yakut a mais que o outro era motivo de discussão.

Numa noite de 2006, Milton e Denise resolveram conversar. Se abraçaram, se beijaram e decidiram mudar a rotina de discórdia. Tomaram banho e foram circular na Virada Cultural. Tomaram o metrô na Vila Madalena, próximo do apartamento. Da linha verde foram para a linha azul. Fizeram baldeação no Paraíso e foram até a Sé. Lá pegaram a linha vermelha e desceram no Vale do Anhangabaú.

Ao sair do metrô Milton falou para Denise

-"Dê", vamos ver o palco brega?

Denise respondeu:

Ah, "To", vamos para o samba-rock!

Milton irritado, mas sem transparecer a irritação decidiu:

- Você vai para o Samba-Rock. Eu vou ver Reginaldo Rossi. E a gente se encontra no show de rock as duas, pode ser? Ela concordou.

Antes das duas, Minton caminhava rua do Arouche de mãos dadas com a paraense Neusa Maria, garota em que ele tinha beijado no show brega. Passou por um casal que se esfregava num muro. O rapaz se virou e perguntou se ele tinha cigarro. Ele disse que não. Olhou para a moça e percebeu que era Denise.

Os dois se olharam, mas nada fizeram, como se não se conhecessem.

As duas horas em ponto, Milton e Denise estavam no Show de Rock. Ele sorriu, ela retribuiu. Os dois dançaram ao som da música "Maluco Beleza" e ficaram juntos por toda a Virada Cultural.

De e To ainda vivem juntos, brigam, fazem as pazes, mas nunca mais perderam uma virada cultural, cada um em seu canto até as duas da manhã, depois o casal se junta e dançam felizes madrugada a dentro.

2 comentários:

Renata Mielli disse...

Que bom que o Tô e a Dê deram um jeito de se entender. Mas deixo dito - comigo não viu, violão. hahahaha

sandra disse...

hahahaha Muito boa! (e ainda o comentário da sua "Dê").